História do jiu-jitsu

O jiu-jitsu surgiu nas montanhas da Índia há 2500 anos, foi criado por monges budistas, que na época eram constantemente atacados e saqueados. Os monges eram franzinos, fisicamente fracos e necessitavam defender-se sem usar armas, sem fortalecer o corpo e, principalmente, sem agredir, nem machucar seus agressores, pois isto era contrario a filosofia budista. Baseados nos movimentos dos animais, criaram forças de alavanca como técnicas de defesa e nunca mais foram saqueados

Surgia o jiu-jitsu, na tradução “arte suave”, foi a 1ª forma de auto defesa no mundo. Com a expansão do budismo, o jiu-jitsu percorreu o sudeste asiático, a China e chegou ao Japão. No Japão, onde imperava o feudalismo, os senhores feudais eram protegidos por samurais, guerreiros que duelavam até a morte e tinham no jiu-jitsu a sua luta de corpo a corpo.

Com a revolução industrial, abriram-se os portos japoneses ao ocidente e os ocidentais já possuíam uma curiosidade em relação à cultura oriental, principalmente em relação às lutas. Para preservar a cultura, o imperador japonês decretou crime de lesa-pátria ensinar jiu-jitsu fora do Japão. Para exportação, o jiu-jitsu é fragmentado e denominado de karatê, judô, aiki-dô, entre outros. Jigoro Kano, por exemplo, entusiasta com o jiu-jitsu, mesclou sistemas e técnicas do jiu-jitsu e criou o judô.